Conheça os tipos de estrias e como tratá-las

Estrias são cicatrizes que surgem quando as fibras colágenas e elásticas da pele são destruídas, em virtude do estiramento da pele. As linhas se formam por causa da redução da espessura da epiderme e da derme. Podem arder e coçar, e normalmente não apresentam sintomas. Conheça os principais tipos de estrias e saiba como tratá-las.

Tipos de estrias

Existem 2 tipos de estrias: as novas (vermelhas ou arroxeadas) e as antigas (brancas), e as brancas ainda podem ser estreitas e superficiais ou largas e profundas. Em pessoas morenas e negras, as estrias surgem com uma cor um tom mais escuro que o tom de pele.

Estrias vermelhas ou arroxeadas (novas)

Estrias vermelhas.

As estrias recentes podem gerar uma coceira discreta e apresentam um processo inflamatório na região. Esse tipo de estrias são mais fáceis de remover do que as estrias antigas, pois a cor mostra que o tecido ainda não foi completamente danificado e existe sangue circulando na área.

Tratamentos para vários tipos de estrias

  • O melhor tratamento para as estrias vermelhas, que ainda são recentes é hidratar bastante a pele, utilizar cremes e hidratantes por no mínimo 2 vezes por dia, diariamente.
  • Evitar utilizar roupas apertadas, pois isso facilita o aparecimento de estrias e evita as repentinas subidas de peso, pois assim a pele estica-se rapidamente e as fibras rompem-se de forma mais fácil, o que favorece as estrias.
  • Apesar das estrias vermelhas coçarem, o indicado é não coçá-las, pois isso contribui para a ruptura da pele, tornando-as mais frágeis e propícias a estrias. Botar o creme na geladeira é uma boa opção, pois as baixas temperaturas ajudam na redução da coceira, o que colabora para a remoção das estrias.
  • NÃO devem ser realizadas esfoliações nessa fase, pois isso pode intensificar o aparecimento de estrias.

Luz intensa pulsada + Ácido retinoico

É feita a aplicação da luz pulsada, que provoca a regeneração das estruturas da pele e trata os vasos dilatados que dão uma aparência avermelhada na pele. Após, o peeling de ácido retinoico é aplicado, para otimizar a ação da luz. São feitas de 3 a 6 sessões, com intervalos de 1 mês, e o tom da pele fica de 30 a 80% mais uniforme e as estrias ficam mais finas. A pele pode ficar mais sensível e descamar de 5 a 10 dias e por uma semana é preciso evitar banhos quentes e exercícios físicos intensos. Após um mês, já é possível se expor ao sol.

Leia também: Babosa para o tratamento de estrias.

Infravermelho + Ácido retinoico

O aparelho com uma ponteira de cristal dispara raios infravermelhos, que esquentam as camadas mais profundas da pele, promovendo a sua retração e aumentando a produção de fibroblastos (células formadoras da elastina e do colágeno). Trinta minutos depois, o ácido retinoico é aplicado, que também incentiva o aumento das fibras de sustentação da pele. O incômodo do infravermelho é suportável, e a cor desses tipos de estrias fica mais intensa nos primeiros dias e depois clareia-se aos poucos, e o aspecto das linhas melhora de 40 a 80%, 3 meses após o tratamento.

Luz intensa pulsada + Vitamina C

É injetada a vitamina C a 22% na camada superficial da pele, com uma agulha fina. Após, por 30 minutos, o equipamento de luz pulsada entra em ação, e a sua ponteira que dispara uma energia que provoca a contração da derme ajudando no afinamento das linhas.

São feitas 10 sessões de vitamina C (uma a cada 15 dias) e 4 sessões de luz pulsada (com intervalos de 3 semanas) e os resultados começam a aparecer depois da quarta sessão, e cerca de 60% das estrias ficam mais finas e claras, até o final do tratamento. As picadas causam desconforto e podem provocar hematomas de 3 a 5 dias. Durante esse tempo, é indicado ficar longe da ginástica, evitar o uso de roupas apertadas, e não se expor ao sol.

Peeling de cristal + Ácido retinoico

Primeiramente, é feito o peeling de cristal, que dispara jatos de pó de óxido de alumínio para esfoliar e favorecer a penetração do ácido retinoico, descamando a pele e estimulando a produção de colágeno. São realizadas de 15 a 20 sessões, com intervalo de 10 dias e esse processo não causa dor, apenas uma vermelhidão por 2 horas e descamação leve por uma semana. Ocorre uma melhora de 40% na textura das estrias, além delas ficarem mais claras, após o final do tratamento.

Estrias brancas (antigas)

Estrias brancas.

Esse tipo de estrias, como já são mais antigas, não apresentam inflamação, pois já houve uma atrofia mais intensa das fibras elásticas e colágenas. Nessa fase, os tratamentos devem ser mais “agressivos” e intensos, gerando uma cicatrização interna das estrias.

Tratamentos

Laser fracionado + subcisão

Esse tratamento é recomendado para as estrias brancas, estreitas e superficiais. São realizadas de 2 a 3 sessões de laser fracionado, que provoca micro perfurações na pele, eliminando e esquentando as fibras de sustentação, para melhorar a textura e alisar a pele. Assim que os hematomas desaparecem (cerca de 15 dias depois), é feita a subcisão, em que se utiliza uma agulha de ponta cortante para descolar a derme profunda, traumatizando-a, estimulando a formação de colágeno e recuperando parcialmente a estria. O corte é pequeno e não necessita de pontos.

São realizadas de 3 a 5 sessões de laser (com intervalos de 15 dias) e 1 a 2 sessões de subcisão (intervalos de 60 dias). Normalmente, o laser provoca inchaço nas primeiras 24 horas e deixa hematomas por 2 semanas, e a subcisão provoca hematomas por até 1 semana e o local fica dolorido. Não é possível malhar por 3 dias e é necessário evitar a exposição ao sol por um ou dois meses.

Peeling de cobre + Intradermoterapia

Primeiramente, é realizado o peeling, que promove uma micro esfoliação, e incentiva a produção de elastina e colágeno. O cobre reage com uma enzima responsável pela produção de melanina, o que faz com que a estria volte a ter a mesma cor do resto do corpo. Após, é feita a injeção de um mix de substâncias na camada superficial da pele,  que são capazes de reconstituir e devolver a elasticidade, hidratação cutânea e a firmeza.

Geralmente, são feitas 15 sessões (com intervalos de uma semana) e os resultados costumam aparecer após 5 sessões e as estrias melhoram de 70 a 80%. O peeling deixa a região avermelhada e descamando por 3 dias e as picadas são um pouco doloridas e a pele fica sensível, portanto, no dia da aplicação, não é recomendado usar cremes ou óleos no corpo, roupas apertadas ou fazer ginástica e só pode tomar sol após um mês.

Radiofrequência

As ondas são disparadas pela ponteira do equipamento, por 30 minutos, e elas atingem e esquentam a camada mais profunda da pele, portanto há uma contração e um aumento das fibras de colágeno, aproximação das bordas das estrias e uma reorganização dos tecidos de sustentação. São feitas de 8 a 16 sessões (com intervalo de 3 semanas), e os resultados surgem após 4 sessões, e as estrias reduzem em até 60%. O tratamento é praticamente indolor, apenas a região costuma ficar quente por alguns minutos, e é preciso evitar o sol por uma semana.

Carboxiterapia

É injetado gás carbônico no tecido subcutâneo por meio de um equipamento para causar a dilatação dos vasos sanguíneos e a estimulação da formação de colágeno, o que preenche as estrias de dentro para fora. São feitas 12 sessões (uma por semana). A sessão de 15 minutos de picadas é dolorida, mas suportável, e quando um vasinho é atingido, a região pode ficar roxa de 3 a 5 dias, tempo em que deve-se evitar o sol. Os resultados costumam aparecer após 2 meses de tratamento, e as estrias podem chegar a 50%.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *